Tag Archives | Filosofia, Psicologia e Terapia Existenciais

solidão

Para os existencialistas é um sentimento inerente à condição humana. Independe da condição física e objetiva de isolamento. Ontologicamente somos sós, isto é, existimos em solidão, mesmo que junto do Outro. Sartre dizia: "Nascemos sós e morreremos sós".

Continue Reading

Angústia em Heidegger

Angústia – traço característico da autenticidade existencial, angústia ante o vazio, ante o nada, da qual a maioria dos homens busca evadir-se; seja pelo discurso vazio, o tagarelar (Gerede), evitando todo contato mais profundo com os problemas da existência. Angústia diante de duas percepções do não-ser: o antes do nascer e o depois de morrer. […]

Continue Reading

Pós-modernidade

O existencialismo surge como uma reação ao racionalismo iluminista que pretendia resolver todos os problemas a partir da racionalidade clássica. Ocorre que hoje em dia o contexto cultural é outro: estamos na chamada Pós-Modernidade onde uma das características é a de um irracionalismo e relativismo abrangentes. Portanto, nestes dias, as correntes do existencialismo estão deslocadas […]

Continue Reading

‘Dasein’ versus ‘Sosein’

É sabido que os psicopatas sem sentimento (frios de ânimo, amorais, sociopatas, moral insanity), ou, eufemisticamente, como querem as Classificações, os portadores de transtornos de personalidade, jamais procuram tratamento psicológico, já que eles não são doentes e, muito menos, têm sintomas. Os psicanalistas clássicos costumam diagnosticá-los como portadores de neurose de caráter, um tipo de […]

Continue Reading

Cuidado (Sorge) & Amor (Liebe)

A postura da psicossíntese fenomenológico-existencial pode ser adotada em qualquer linha de trabalho psicoterápico. As escolas de psicologia profunda utilizam-se da teoria que valida a existência de um inconsciente dinâmico. Àquelas que aceitam a proposta de Freud de haver uma instância judicativa e censora, que ele chamou de superego, fica clara a delimitação ética para […]

Continue Reading

Fundamentos do existencialismo

(1) O existencialismo surgiu como uma crítica do racionalismo. (2) Hoje o existencialismo já está dentro de um contexto de irracionalidade da pós-modernidade. Conseqüências possíveis e reais aos neófitos em análise existencial: (1) Clínica ateleótica "justificada" por uma leitura equivocada do existencialismo (2) Clínica excessivamente racionalizada "justificada" por uma tentativa de dar sentido ao discurso […]

Continue Reading

‘Daseinsanalyse’ terapêutica de Boss

Medard Boss (1903-1990) distanciou-se da concepção de Binswanger, em como resolver os problemas clínicos de que se ocupa. Daseinsanalyse é o termo cunhado na língua alemã pelo psiquiatra Jakob Wirsch, em 1924, para designar o método psicoterapêutico a partir da analítica da existência feita em psiquiatria por Binswanger. Atualmente, Daseinsanalyse é um termo alemão convencionado […]

Continue Reading

Amor (Liebe), A introdução por Binswanger do

Binswanger destaca a importância do amor (Liebe), ou o existir-abrigado-como-amor (Beheimatelsein als Liebe), e não somente do cuidado inquietante (Sorge), como o faz Heidegger. Para Binswanger a condição fundamental do existir-no-mundo é o amor, o que traz novas conotações ontológicas: 1ª. Wirheit – literalmente: noseidade, o nós como alteridade, com o que tenta caracterizar a […]

Continue Reading

Modos essenciais de ser-no-mundo para L. Binswanger

Binswanger publica suas idéias (1931/32), com seu estudo Sobre a fuga de idéias. A partir de um exemplo clínico, analisa o que ele denomina como mundo ideofugitivo do maníaco. Com a fuga de idéias, tido como o mais típico elemento da síndrome maníaca, descreve Binswanger com os termos heideggerianos saltar (springen) e turbilhão (Wirbel), como […]

Continue Reading

Daseinsanalytik investigativa de Binswanger

Ludwig Binswanger (1881-1966), inaugurou na Psiquiatria, uma nova descrição dos modos-de-ser-humanos, fundamentando-se em Husserl e Heidegger. O que permitiu ao clínico a possibilidade de se valer dos vários modos de expressão de cada pessoa: autobiografias, cartas, diários,  observações espontâneas, incidentais, comentários sem compromisso, opiniões avulsas, idéias pessoais sobre religião, sexo, família, política, esportes, peculiaridades de […]

Continue Reading