Tag Archives | Filosofia, Psicologia e Terapia Existenciais

má-fé (mauvaise foi) em Sartre

Sartre recusa formalmente a aceitação do Sorge heideggeriano, como fundamento do existir autêntico, e introduz dois novos conceitos, para distinguir autenticidade de inautenticidade: A náusea (nausée) – com significado metafísico designando o fenômeno da mais primitiva e espontânea revelação da existência humana, como contingência e absurdo, pois não possuímos as respostas básicas da nossa existência: […]

Continue Reading

náusea (nausée) em Sartre

Sartre recusa formalmente a aceitação do Sorge heideggeriano, como fundamento do existir autêntico, e introduz dois novos conceitos, para distinguir autenticidade de inautenticidade: A náusea (nausée) – com significado metafísico designando o fenômeno da mais primitiva e espontânea revelação da existência humana, como contingência e absurdo, pois não possuímos as respostas básicas da nossa existência: […]

Continue Reading

A fé filosófica em Jaspers

A fé filosófica – tal como aparece em toda a obra de Jaspers, ela é, simultaneamente, o que pode haver de mais frágil e de mais invulnerável, mas em um duplo sentido. Não se vale de nenhum estatuto comunitário, nenhuma autoridade, nenhum livro sagrado ou revelado, nenhuma instituição. Não dispõe de qualquer meio de coação, […]

Continue Reading

Metafísica em Jaspers

Para Jaspers, metafísica é a tentativa do pensamento se esforçar em conhecer a origem de sua existência, isto é,  a transcendência. O pensar metafísico é um pensar surpreendente. Visto que este pensamento visa à transcendência e que a esta, sendo o englobante do sujeito e do objeto, não pode ser tomada por objeto, Jaspers se […]

Continue Reading

O incondicionado e a transcendência em Jaspers

Para Jaspers: O incondicionado e a transcendência – se o conhecimento de quem procura orientar-se na objetividade do mundo se submete às condições da verdade necessária ou apodíctica (zwingende Wahrheit), a existência possível, essa, única, concreta  e concretamente situada, se enraíza em uma verdade diferente: o absoluto ou, caso se prefira, o incondicionado (das Unbedingte). […]

Continue Reading

Existência em Jaspers

Para Jaspers: Existência – o termo existência não tem o mesmo sentido para todos os filósofos considerados como pertencentes ao movimento do existencialismo ou filosofia da existência. Daí resultaram não poucos mal-entendidos. Para Jaspers, em primeiro lugar, a existência não pertence à ordem dos fatos, mas da liberdade. Eis porque Jaspers fala de preferência da […]

Continue Reading

Malogro de uma ontologia em Jaspers

Para Jaspers: Malogro de uma ontologia – o pensamento jamais descobre o englobante do ser. Este apenas desponta no insucesso dos limites. Pode dizer-se que a filosofia de Jaspers é uma tentativa que visa a tornar explícito aquilo que nos cientifica do ser e da nossa relação com o ser: o malogro de uma ontologia. […]

Continue Reading

Cisão sujeito-objeto em Jaspers

Para Jaspers: Cisão sujeito-objeto – o pensamento humano, eterno prisioneiro da cisão sujeito-objeto, que ele mesmo cria e é, ao mesmo tempo, sua condição essencial, nem pode renunciar à totalidade nem alcançá-la. Uma totalidade que não fosse nem sujeito nem objeto, que englobasse os dois termos, única a merecer o nome de ser, escapa-lhe. É […]

Continue Reading

Totalidade em Jaspers

Para Jaspers: Totalidade – justamente por este motivo, o homem que busca o ser na configuração do mundo precisa encontrar uma totalidade que englobe todos os seres particulares que nele se apresentam. Historicamente, a questão: "que é que existe?", "o que é o ser?" é muito antiga. Voltados para o mundo que os rodeavam, os […]

Continue Reading

Objetividade em Jaspers

Para Jaspers: Objetividade – é aquilo que a consciência desperta do homem encontra primeiramente em todos os sentidos, ao redor: uma dada realidade que ele chama mundo. Este mundo, receptáculo inesgotável de dados que se lhe impõem, de fatos que ele constata ao mesmo tempo, que os outros homens, é o mundo que constitui de […]

Continue Reading