Medo do outro

O medo pode ser influenciado pela raça? A resposta é sim, segundo um estudo feito nas universidades de Nova York e Harvard. Para os autores do trabalho, relatado na edição atual da revista Science, o ser humano apresenta maior persistência do medo aprendido em relação a representantes de outra raça. Os resultados foram semelhantes tanto para brancos quanto para negros.

Fonte: [url=http://www.agencia.fapesp.br/boletim_dentro.php?id=4113]Agência FAPESP[/url]O medo pode ser influenciado pela raça? A resposta é sim, segundo um estudo feito nas universidades de Nova York e Harvard. Para os autores do trabalho, relatado na edição atual da revista Science, o ser humano apresenta maior persistência do medo aprendido em relação a representantes de outra raça. Os resultados foram semelhantes tanto para brancos quanto para negros.

Fonte: [url=http://www.agencia.fapesp.br/boletim_dentro.php?id=4113]Agência FAPESP[/url]Os pesquisadores mostraram a voluntários brancos e negros fotos dos rostos de homens das duas raças, todos desconhecidos. Na primeira fase, nos dois grupos houve uma reação de surpresa e de leve desconforto em relação a algumas das imagens. Em seguida, ao serem apresentados às mesmas fotos, a surpresa deixou de existir, mas o medo continuou em relação a algumas delas.

As respostas de medo foram medidas por meio de mudanças nas glândulas sudoríparas. Quando a surpresa deixou de estar presente, a resposta diminuiu em relação a fotos de indivíduos da mesma raça do participante, mas o mesmo não ocorreu para os outros.

Os pesquisadores procuraram verificar se a persistência do medo em relação à outra raça estaria relacionada a atitudes ou crenças a respeito de grupos raciais ou ao contato que o participante tenha tido com representantes de outras raças. Segundo o estudo, o único indicador que efetivamente mostrou contribuir para a mudança do cenário foi a relação amorosa.

“É provável que tanto fatores evolucionários quanto socioculturais tenham uma papel importante na maior persistência do medo. Entretanto, a raça por si só não pode ser a base para esse efeito, devido à sua emergência relativamente recente como dimensão importante na interação social humana”, diz Elizabeth Phelps, da Universidade de Nova York, em comunicado da instituição. “A maneira como identificamos outros grupos sociais pode estar ligada a uma predisposição evolucionária para aprender a sentir mais medo de representantes desses grupos do que aos do nosso próprio.”

“O estudo comprova a forte ligação entre indivíduo e grupo social e como essa relação é forte e presente. A boa notícia é que a predisposição ao medo de outros grupos pode ser alterada pelo contato pessoal”, afirma Mahsarin Banaji, da Universidade de Harvard. “Somos produtos de nossa história evolucionária e de nosso meio social. Não conseguimos controlar a primeira, mas certamente podemos mudar a segunda.”

O artigo The role of social groups in the persistence of learned fear, de A. Olsson, E.A. Phelps, J.P. Ebert e M.R. Banaji, pode ser lido no site da Science, em www.sciencemag.org.

About RedePsi

Portal de Psicologia com Notícias, Artigos, Links e Serviços de Divulgação de Cursos, Eventos e Produtos da Área.

,

Comments are closed.