Religiosidade evangélica assume significado diferente no ambiente prisional

As igrejas pentecostais fazem parte das articulações do universo prisional, acolhendo aqueles que não são aceitos pela massa carcerária. Ao se converter, o interno adota uma rotina completamente à parte do resto dos presos
As igrejas pentecostais fazem parte das articulações do universo prisional, acolhendo aqueles que não são aceitos pela massa carcerária. Ao se converter, o interno adota uma rotina completamente à parte do resto dos presos
Nos presídios do estado de São Paulo, cerca de 21,3% dos presidiários são evangélicos, de acordo com o Censo Presidiário 2002, elaborado pela FUNAP (Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel). Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2000, na sociedade brasileira os evangélicos representam 15,5% da população. Segundo a cientista social Camila Caldeira Nunes Dias, boa parte dos presidiários se convertem já na cadeia. “Esse grupo adota um estilo de vida diferente e enfrenta forte preconceito e desconfiança”, relata.

Após entrevistar 23 internos da Penitenciária 1 de São Vicente (no litoral Sul de São Paulo) e da Penitenciária do Estado (na Capital ), a cientista social Camila Caldeira Nunes Dias concluiu que “a religiosidade evangélica adquire um sentido diferente dentro da prisão”.

Por terem como filosofia “acolher a todos”, as igrejas pentecostais são muito procuradas pelos que transgridem as regras do universo prisional e se vêem ameaçados de morte. O preso pode pedir transferência de prisão, ficar no “seguro” – que são celas solitárias onde deixa de ter contato com os demais – ou buscar o refúgio dessas agremiações. Ao optarem por se juntar aos “irmãos” (como são chamados na prisão os evangélicos), precisam adotar uma rotina de orações e dedicação exclusiva: têm atividades da igreja o dia todo, não podem assistir a televisão ou ouvir rádio, são proibidos de praticar esportes com outros presos e, na maioria das vezes, dividem celas com pessoas do mesmo credo.

Entre os transgressores das leis da cadeia, estão estupradores, delatores e aqueles que têm dívidas de drogas. Os que fazem parte de grupos religiosos tornam-se, então, alvo da desconfiança dos outros presos, que os acusam de “se esconder atrás da bíblia”, segundo a pesquisadora. “Há sempre a suposição de que o evangélico é alguém sem credibilidade, que não tem condições de ser malandro. Isso, independentemente do fato de ele ter ou não transgredido realmente o código de conduta da massa carcerária”.

Reclusão no mundo evangélico
Os entrevistados por Camila faziam parte da Assembléia de Deus, Deus é Amor, Universal do Reino de Deus, Igreja do Nazareno, Testemunhas de Jeová, Adventista e Igreja Mensagem de Cristo (fundada pelos presos). “Aqui fora, essas igrejas são distintas nas práticas que impõem aos fiéis e até na interpretação teórica das doutrinas. Mas dentro da cadeia são todas iguais, seguem o mesmo padrão”, diz.

Ao mesmo tempo em que essas igrejas pregam a conversão religiosa para a massa carcerária, obrigam seus seguidores a levar uma vida à parte do ambiente prisional, “separando-se dos incrédulos, que continuam planejando crimes, praticando violência”. O afastamento é recíproco por parte dos outros presos, que passam a vigiá-los e os tornam alvo de gozações.

Dessa maneira, a vida que começam a levar é como um castigo, um preço que tivessem de pagar pela proteção, uma vez que sua religiosidade é vista não como fruto de uma escolha autônoma, como em geral acontece na sociedade livre, mas resultante de uma situação insustentável com poucas opções de sobrevivência. Para Camila, “esses presos evangélicos tornam-se pessoas estigmatizadas, vivendo em ambigüidade quanto aos seus valores e enfrentando a desconfiança quanto a sua fé”.

Embora os recém-conversos contem relatos de arrependimentos e “milagres”, Camila afirma que melhores explicações podem ser encontradas no papel social do mundo evangélico dentro das articulações do ambiente prisional, “recebendo aqueles que não são aceitos lá dentro”.

Fonte: [url=http://www.usp.br/agen/repgs/2006/pags/014.htm]www.usp.br[/url]

About RedePsi

Portal de Psicologia com Notícias, Artigos, Links e Serviços de Divulgação de Cursos, Eventos e Produtos da Área.

Comments are closed.