RedePsi - Psicologia

Artigos

Relacionamentos Extra-Conjugais

Quando entra uma terceira pessoa em qualquer relação, já existe um buraco no casamento. Aquele que muitas vezes, faz vista grossa, tendo consciência que o parceiro (a) busca relacionamentos fora, sabe bem que não consegue suprir as fantasias do parceiro (a).(Parceria fixa).

Mas aqui a possessividade na relação é tamanha, que esse parceiro (a) prefere dividir, que reavaliar a relação, quem autoriza é porque detém o poder da relação, não sendo o coitado tampouco o cego como muitos supõem. O que ocorre aqui é a co-dependencia na relação afetiva, e uma manipulação sutil dentro desse contexto.

Exemplos comuns de mulheres manipuladoras, são típicos por exemplo, comportamentos das ligações inesperadas para o marido, como “não esqueça de trazer o pão”…Mas ele leva os pães todas as noites para casa.

Ou qualquer outra situação corriqueira, que a mulher lembra o marido e que são quase imperceptíveis, mas que no dia a dia demonstram a manipulação e controle da situação nas relações afetivas.

Porém um dia…A casa cai…

Nesse caso não adianta tentar suprir, com carícias, agrados, enfim…Porque podemos agradar o nosso parceiro(a) e tentar ser aquilo que ele projetou por algum tempo, não a vida toda. Com isso fica faltando algo na relação, esse algo mais, é justamente as expectativas que não conseguimos atender.

Quem busca algo fora, normalmente está carente, perdido, sentindo necessidade de coisas novas, que possam suprir as suas necessidades, seja afetiva, ou sexual.

O fato de olhar para o lado, não remete ninguém a realização das suas fantasias.

Tudo é divino enquanto está no campo do proibido…Enquanto for novidade…Tem seu sabor especial.

Mas o dia a dia acaba com essa novidade e frustra, por todas as coisas que foram citadas aqui.

Inclusive conheço casos de pessoas que foram viver com amante e se arrependem por isso até hoje, porque acabam ocorrendo inclusive as comparações Quanto maior for a expectativa depositada na pessoa, maior será o vazio e o sofrimento.

Isso nos relacionamentos extraconjugais, no casamento, enfim…Muitos de nós idealizamos um parceiro (a). E no real esse não pode atender as nossas expectativas, posto que tem vida própria, com suas qualidades e fraquezas. O príncipe encantado está nas fantasias quem as tem.

A nossa idealização do par perfeito está relacionada diretamente, a nossa história de vida e contexto social. As pessoas não conseguem atingir aquilo que está embutido na mente do outro.

Por Sônia Furlanetto
Psicóloga e Terapeuta Sexual
(11)3906.8278
(11)3662.4501

Acesso à Plataforma

Assine a nossa Newsletter