impregnação neuroléptica

Fenômeno clínico que é a expressão do efeito químico dos neurolépticos (também chamados de tranqüilizantes maiores ou antipsicóticos). Isto acontece quando o fármaco penetra nos gânglios, ou núcleos, da base do cérebro. O paciente fica, na fala popular "robotizado", à semelhança de um paciente de parkinson: andar em bloco sem mexer os braços, curvado para a frente em busca de seu centro de gravidade, início e final da marcha difícil com forte hesitação o que provoca um saltitar. A face fica em amimia (sem mímica), vale dizer, sem modulação expressiva (por isso é chamado de "jogador de pôquer", pois pode blefar sem que ninguém desconfie). O ritmo de piscar torna-se muito lento. A musculatura geral do corpo fica rígida (em hipertonia), e há um tremor generalizado.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.