Exercícios garantem saúde física e mental dos idosos

Não tem jeito: gostando ou não, a turma da terceira idade precisa se exercitar. Os exercícios são importantes não apenas para a saúde física, mas para a emocional. E não importa qual seja a prática escolhida.
Não tem jeito: gostando ou não, a turma da terceira idade precisa se exercitar. Os exercícios são importantes não apenas para a saúde física, mas para a emocional. E não importa qual seja a prática escolhida.
A professora de Educação Física, Rosangela Villa Marin, do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física, de São Caetano do Sul (Celafisc), na região do Grande ABC.

Segundo ela, exercitar-se é fundamental para o idoso não perder a capacidade funcional, manter a qualidade existente ou ganhar aptidão física. “Se pelo menos conseguir reduzir a perda de capacidade, já é um grande avanço”, ressalta.

Em uma pesquisa científica, Rosângela analisou o impacto de acrescentar um quilo de peso aos exercícios feitos por mulheres acima de 50 anos. Os estudos surpreenderam. O grupo que usou a sobrecarga teve um aumento de 7% no que se refere a flexibilidade. A força nos membros inferiores aumentou em 23,7%. “É um valor importante, porque é nos membros inferiores que os idosos perdem mais força”, explica a pesquisadora.

A prática de exercícios físicos traz como benefícios a manutenção da força, a flexibilidade e o equilíbrio. Com isso em dia, é possível evitar um dos problemas que mais atingem a turma da terceira idade: as quedas, que podem trazer sérias complicações.

Os benefícios dos exercícios para o físico são inquestionáveis. Mas e para a cabeça? “O que os estudos têm evidenciado é uma melhora no humor do idoso. A atividade funciona como um complemento ao tratamento da depressão”, defende a psicóloga Erica Maria Machado, do Instituto Biodelta, na região central de São Paulo, que trabalha em parceria com o Centro de Estudos em Ciências da Atividade Física (Cecafi) do curso de Geriatria da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com a psicóloga, ao melhorar o condicionamento físico do idoso e recuperar algumas habilidades para que ele volte a ser indepentente, a auto-estima aumenta. “Com a auto-estima elevada, aumenta a confiança nas suas capacidades, mesmo que seja dentro de seus limites”.

Fonte: [url=http://ultimosegundo.ig.com.br/materias/saude/2452001-2452500/2452286/2452286_1.xml]http://ultimosegundo.ig.com.br[/url]

,

Comments are closed.