As barreiras do psicólogo clínico em sua rotina

Sabemos que desde o início da Psicologia enquanto ciência, apesar de suas várias possibilidades no mercado de trabalho, como Escolar e Educacional, Organizacional e do Trabalho, Jurídica, Hospitalar e outras, o interesse de grande parte destes profissionais continua sendo o exercício da prática clínica.

O exercício profissional do psicólogo inicia após sua graduação no curso superior de Psicologia e posteriormente sua inscrição no Conselho competente. Neste caso, o CRP – Conselho Regional de Psicologia.

Baseada nesta informação, faz se interessante avaliarmos constantemente quais as maiores dificuldades enfrentadas pelos clínicos.

O mercado de trabalho encontra-se saturado na área clínica, sendo constante a oferta de empregos em outras áreas, principalmente na área de Psicologia Organizacional e Recursos Humanos.

Com a competitividade em alta, resta a cada profissional que estude o máximo possível para que exerça com sucesso sua profissão, bem como se atualize constantemente.

Sabe-se ainda que o marketing é bastante limitado na área da saúde, muitas vezes impedindo maior divulgação, porém o que ajuda sob o ponto de vista de que seus pacientes o indicarão no famoso “boca a boca” para novos pacientes chegarem ao consultório. Sinal de trabalho bem feito!

Outro ponto significativo que não pode ser ignorado é o bom relacionamento com demais profissionais da área ou não. Ao se sub-especializar, limita-se o público-alvo de seus atendimentos. Sendo assim, faz se necessário o encaminhamento a um profissional colega em quem confiamos profissionalmente e eticamente. Para tanto o isolamento dentro dos consultórios tanto discutido em artigos nos confirma sua parte prejudicial, pois este contato é necessário não só para o contato e o encaminhamento profissional, mas principalmente para a troca de experiência e estudos de casos.

Isto facilita para os profissionais que exercem atividade em clínicas inter e multi-disciplinares, contribuindo assim para o crescente conhecimento acerca de nossa prática profissional, para a troca no geral, bem como para a chegada do paciente até o profissional.

Apesar de tudo, no resta confirmar ainda de que seu sucesso na clínica dependerá de seu grau de estudo e comprometimento, tanto para com seu consultório, quanto com a promoção de saúde do indivíduo que está sob tratamento psicológico.

Após a escolha de qual abordagem teórica será seu referencial predominante, estude, atualize-se.

Qualquer outra dificuldade, acomete não só psicólogos, mas também diversas outras áreas, nas quais cada vez mais prevalecem os que exercem seu trabalho com ética, respeito, dignidade e conhecimento.

Sobre a Autora:
Bianca Bortolini é psicóloga clínica em Curitiba-PR.
Possui formação em Psicoterapia Breve pela Universidade de Buenos Aires – Argentina.
É Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise pela PUCPR e é Afiliada da ABPC – Associação Brasileira de Psicoterapia Cognitiva.
Site: http://clinicadepsicologia.blogspot.com/
Atua em 2 consultórios: No Centro de Curitiba e no Insituto de Psicanálise de Curitiba, localizado no Bairro do Batel, também em Curitiba.

Comments are closed.