Textos enviados pelos alunos

O Ciúme em Relacionamentos Amorosos

A palavra “ciúme”, tão pronunciada em nosso cotidiano, tem suas origens na palavra zelumen, ou ainda zelosus, do latim, que têm suas raízes na palavra zelos, que significa fervor, calor, ardor ou intenso desejo. Zelos
vem da mesma raiz grega que deu origem às palavras, do fraccês e do inglês, respectivamente, jalousie e jealousy.

O ciúme é um dos fenômenos humanos mais comuns, se não universal. Estudos realizados com um grande número de pessoas indicaram pelo menos uma reação de ciúme para cada participante da pesquisa. No dia-adia é freqüente que as pessoas verbalizem “ciúmes”, o que ocorre, possivelmente, pela grande diversidade de situações nas quais o ciúme pode ocorrer. O ciúme que se manifesta em relacionamentos amorosos, ou seja,
entre casais, é nomeado de ciúme romântico. Diferente do que é proposto por alguns autores, de que o ciúme romântico seria uma “emoção negativa”, o
ciúme romântico pode ser entendido como uma reação humana que ocorre frente à ameaça de um rival, que pode ser real ou não, a um relacionamento amoroso importante. Deste modo, o ciúme romântico tem a
função de diminuir a probabilidade de ocorrência da infidelidade. Portanto, o ciúme é uma reação possível sempre que a estabilidade do relacionamento amoroso é ameaçada por um rival.
A manifestação de reações de ciúme, ou como se diz mais comumente, “sentir” ciúme (a palavra sentir aparece entre aspas uma vez que o ciúme não é unicamente sentido, pois não é um sentimento, mas sim
uma manifestação complexa de emoções, comportamentos e pensamentos) não significa necessariamente que o parceiro está sendo fiel; assim, aquela pessoa considerada como rival (um amante, por exemplo) e
o parceiro considerado como infiel, podem estar cometendo ou não infidelidade.

A principal dificuldade encontrada no estudo do ciúme romântico é o número excessivo de definições encontradas na literatura, mas ainda assim, é possível identificar pontos que sejam consenso entre os autores:

– Conjunto de crenças (pensamentos) sobre a existência de um rival;
– Estas crenças levam às outras crenças, sobre a possibilidade de infidelidade do parceiro;
– Como resultado, estas crenças levam a um conjunto de respostas emocionais, comportamentais e cognitivas (como raiva, medo, insegurança, comportamentos de investigação), assim como representam uma ameaça
à auto-estima daquele que apresenta o ciúme. Por fim, o ciúme romântico é uma reação comum entre casais, mais que isso, é uma reação esperada, pois
mesmo o parceiro estando ao nosso lado – uma vez que exista um relacionamento amoroso
– a possibilidade de infidelidade nunca é nula. Ainda assim, as reações do ciúme romântico podem ser exageradamente intensas e freqüentes e apresentar sintomas específicos, que podem configurar uma versão patológica do fenômeno ciúme romântico.

Lucas Carvalho é estudante de psicologia da
UPM e pesquisador na área do ciúme.
[kucca8@yahoo.com.br]

Leitura Recomendada:
BUSS, D. M. A Paixão Perigosa: porque o ciúme é tão
necessário quanto o amor e o sexo. São Paulo: Objetiva,
2000.
CARVALHO, L. F. & KEBLERIS, F. Investigação de uma
estrutura para o ciúme romântico e sua manifestação
patológica. São Paulo: Monografia – Conclusão de Curso
da UPM, 2006.

About Rudemberg de Almeida Mendonça

Comments are closed.