Falando de amor

Sempre tive vontade de escrever sobre o AMOR, pois as nossas mentes descrêem enfaticamente do poder do amor. Que tal começarmos esta leitura assumindo que coisas empolgantes e prazerosas estão acontecendo por toda a parte?

O amor se aprende? Se usarmos a mesma ótica em vários âmbitos da vida, podemos concordar. O amor se aprende sim. Bem como o medo se aprende, o preconceito, a preocupação, o ódio, a responsabilidade, a bondade, a distinção, entre outros. Tudo isso se aprende na sociedade, no lar, num relacionamento.

Cada caminho é apenas um entre milhões, mas todos os caminhos são os mesmos, não levam a lugar algum. A pergunta que devemos fazer é: Esse caminho tem coração? Se tiver, o caminho é bom. Se não tiver, não tem utilidade.

Não conheço nenhuma cultura tão dedicada ao prazer quanto a nossa. Nós nos perdemos em busca do prazer, tanto que nos esquecemos que existem outras coisas. Somos uma cultura que detesta o sofrimento, mas ele é um mestre. Não estou dizendo para embutirmos sofrimento no coração, afinal, eu, como a maioria, prefiro a alegria, que também é uma grande mestra. O desespero, o assombro, a confusão, estes também são. A vida é uma grande mestra, mas a morte também. E por aí vai…Quem saberia verdadeiramente viver sem entender o que é a morte? Todo rio corre par o mesmo mar e a opção é só sua.

Quais os fatores que nos impedem de ver o que é essencial? Costumamos ver apenas uma parcela das coisas em nosso ambiente. Há uma porção de coisas ao nosso redor a todo momento e os nossos sentidos nos limitam enxergar. As nossas categorias pessoais e culturais limitam, nossa linguagem limita e até as normas da ciência que nos fazem selecionar mais as informações que consideramos verdadeiras limitam. Para onde quer que nos voltemos, temos consciência de um espaço reduzido e nos satisfazemos em pensar que é só o que existe.

Nossas vidas são sobrecarregadas e, muitas vezes, nos parece um negócio terrivelmente complicado. No entanto, continuamos, dia a dia, esperando inconscientemente algo mais simples e com mais significado.

Uma em cada sete pessoas necessita de auxílio terapêutico antes de chegar aos 40 anos. Em cada três casamentos, um termina em divórcio. O que você acha destas estatísticas?

Temos que tornar a confiar, acreditar. Claro que é um risco! Depois que você começa a se ligar no risco, toda a sua vida se modifica. Mas a modificação e o crescimento só se dão quando você está disposto a arriscar. Nunca se tem certeza de nada, tudo é um risco. Vou citar alguns bons exemplos:

– Rir é arriscar-se a parecer tolo;
– Chorar é arriscar-se a parecer sentimental;
– Procurar o outro é arriscar-se a se envolver;
– Expor suas idéias é arriscar-se a parecer ingênuo;
– Amar é arriscar-se a não ser amado;
– Viver é arriscar-se a morrer.

Você está pronto para isso? Somente a pessoa que arrisca é verdadeiramente livre. A vida é um processo que se faz passo a passo, não é uma meta. E se cada passo for maravilhoso e mágico, assim será a sua vida. E o AMOR, nada mais é do que a vida em todos os seus aspectos.

Amor e luz a todos!

Ana Paula Polato.
Psicóloga
Contato: anapolato@gmail.com

Comments are closed.