Masturbação feminina no dia-a-dia: suas implicações psicológicas e comportamentais

Tratar-se-à, neste artigo, do hábito diário do comportamento masturbatório feminino e das suas implicações comportamentais e psicológicas.
É sabido e vivido no quotidiano o hábito da fêmea humana de se excitar e de se masturbar em qualquer local em que se encontre, através da sua musculatura vaginal e pélvica, até atingir o clímax, num movimento paroxístico.


Já Freud ( 1905 ), nos Três Ensaios Sobre a Teoria da Sexualidade, nos falava da satisfação sexual sentida pela rapariguinha contraíndo os braços entre as pernas, como contraforça. Este autor por demais nos indicou a prevalência deste tipo de comportamentos.

Na observação quotidiana, associados a estes comportamentos masturbatórios, estão as eventuais ocorrências de um " engolir em seco ", aquando do clímax, e, muito importante, as ocorrências de comportamentos sonolentos, como o bocejar, aquando do clímax; a mulher ou a rapariga começar a ficar com sono. Estas associações são notórias pela proximidade entre o que surge enquanto clímax e os comportamentos sonolentos.

Ainda Freud ( 1905 ), fala-nos na satisfação sexual associada ao sono, como sendo uma regressão, em que a mulher regressa como que a um estado intra-uterino, em completa dependência de outrém.

O que é notável nestes comportamentos é que por mais satisfação sexual que se obtenha, a capacidade multi-orgásmica, bem conhecida na mulher, os comportamentos de " engolir em seco " e do comportamento sonolento não diminuem. Tudo indica que a plena satisfação sexual não é obtida, persistindo, contudo, os comportamentos masturbatórios. Isto leva a crer que diminui a capacidade de procura efectiva de satisfação sexual, na relação, importantemente. Isto leva-nos à noção, mais ou menos presente, pelo menos na cultura ocidental, da menor iniciativa sexual da mulher, em termos de comportamentos efectivos de procura de satisfação sexual.

Quanto a esta menor iniciativa, e quanto à dependência, referida anteriormente, é de notar que Jung ( 1968 ) indica que a mulher que não se identifica com o Eros materno perde a capacidade de iniciativa. É como se a mulher, nesse comportamento sexual típico de masturbação, se identificasse mais com a agressividade materna, com o Thanos materno.

Do escrito, será de realçar que, preventivamente, se deveria facilitar culturalmente, politicamente ( por exemplo, boas condições de acesso ao crédito à habitação ), educativamente, etc., a tomada de iniciativa sexual por parte da mulher para que esta possa mais facilmente identificar-se com o Amor.


Bibliografia:

Freud, S. ( 1905 ). Três Ensaios Sobre a Teoria da Sexualidade ( Tradução Portuguesa ). Edição " Livros do Brasil ".

Jung, C. G. ( 1968 ). The Archetypes and the Collective Unconscious ( 2ª edição ). Routledge & Kegan Paul Ltd. 

About Sérgio Miguel Ramos Duarte Fortes Resende

Comments are closed.