Familias homoparentais

As mudanças socio-culturais estão acontecendo a cada século, e o ser humano vem ao mesmo tempo sofrendo coerção e se satisfazendo de uma liberdade nunca antes vivida, na qual novas formas de parentalidade vêm se constituindo. Hoje, o modelo de família não é mais aquela que nossos avós, pois não são, antes disso, os mesmos os vínculos e laços que criamos com o outro atualmente. Este artigo vem discutir um pouco destas mudanças focando a questão da homoparentalidade, ou seja, as questões que afloram quando se pensa num casal do mesmo sexo, e as dúvidas sobre a paternidade ou maternidade nestes casos.
Muito se fala hoje na desagregação familiar, na dissolução das familias pelas separações ou por uniões não formais, ou outras formas de união conjugal como é o caso dos casais homosexuais. Acontece que muito diferente de extinguir o casamento, ele está mais forte do que parece. Ocorre que novas formas de união conjugal estão surgindo e já estão instituidas em nossa sociedade.

O casamento tradicional como viamos no século passado já não é tão comum e vemos surgir novas formas de união mesmo em casais heterosexuais. Existem casais que vivem em casas separadas, ou mesmo dentro da mesma casa mas em quartos separados, respeitando sua individualidade e não deixando de lado a união e a intimidade importante para qualquer casal. Relacionamentos "abertos" com liberdade, sem vinculo formal, etc. As uniões homoparentais são também cada vez mais frequentes e vemos hoje em dia casais lesbianos podendo constituir sua familia normalmente como um casal tradicional hetero.

Essa abertura cultural e social é positiva na medida em que se permite o direito das pessoas em expressar sua autenticidade, sua verdade e ser aceita tal como se é pela sociedade em que vive. Meu intuito aqui é trazer uma reflexão à respeito da paternidade e maternidade no sentido psicanalítico do termo. Segundo Lacan, devoto de Freud, a paternidade e maternidade são funções e por isso, independe de gênero e sexo. Ou seja, o bebê elege sua mãe pela figura que lhe dá a proteção, o amparo e está com ele durante seus primeiros meses que é onde se constui-se como sujeito. Segundo outro grande psicanalista pós Freud, Winnicott, até esse momento o bebê pensa que a mãe, ele e o mundo são uma coisa só.

A partir deste ponto, ele começa a ver que a mãe tem outros interesses e que tem alguém que ela se dirige, e que toma a atenção que antes era só sua, nesse caso o pai, a primeira vista um rival, um legislador, pois se põe entre o bebê e a mãe, mas em outro momento, como amparador e protetor, provedor. Na medida em que o bebê elege estas pessoas como pais, ao mesmo tempo tem de haver uma eleição interna em cada um destes indivíduos, ou seja, que eles internamente assumam-se com tais funções para que haja a interação na intersubjetividade do grupo e a familia se constitua. Vemos exemplos de como isso funciona em jovens meninas que engravidam e que por não estarem preparadas para assumirem seus bebês, acabam estes elegendo a avó na função maternal. Neste exemplo, a avó elegeu o bebê internamente e o bebê á ela, e a mãe biológica acaba assumindo um papel mais de irmã que de mãe… Todos nós já vimos exemplos de pais ou mães que não assumem suas funções apesar de serem pais e mães biológicas… Desta forma, também, pela maternalidade e paternidade serem funções (e não papeis) não importa quem esteja assumindo tais posições, se mulher ou homem, mas sim a função que estes indivíduos ocupam no psiquismo do bebê, e em seu próprio psiquismo pessoais.

É importante na nossa atual condição e no atual estado de mudanças que a humanidade atravessa, que nós tenhamos uma visão mais aberta á estas novas formas de parentalidade que vêm surgindo, entendendo seus motivos mais profundos e aceitarmos que as pessoas se expressem em suas "verdades pessoais".

Aceitar a verdade dos outros é um pré-requisito para que possamos expressar nossas verdades próprias e sermos aceitos como somos no nosso próprio mundo.

Roberto Dantas – psiroberto@terra.com.br Roberto Dantas é psicanalista clínico e escritor, com pós-graduação, especialização e Mestrado em Psicologia. Atende em terapia-breve de orientação psicanalitica, análise psicanalítica – contatos : (11) 4107.9765, cel : 7459.7167, site pessoal : www.robertodantas.web.pt

Comments are closed.