Terapia Analítico-Comportamental no Manejo de Respostas de Ansiedade em Fobias

Matheus Felipe de Souza1; Maria Claudia Rodrigues1; Caroline da Cruz Pavan2; Carmem Beatriz Neufeld1. math.psy@hotmail.com 1 Laboratório de Pesquisa e Intervenção Cognitivo-Comportamental do Departamento de Psicologia e Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; 2 Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Definições do conceito ansiedade apontam para um estado que envolve excitação biológica ou manifestações autonômicas e musculares, redução na eficiência comportamental, e principalmente respostas de esquiva e/ou fuga e relatos verbais de estados internos desagradáveis. Quando a ansiedade se refere à relação do indivíduo com eventos aversivos, ela adquire o status de queixa clínica. Alguns estímulos antecipatórios a eventos normalmente desencadeiam respostas reflexas de preparação do organismo para o que esta por vir; Estes estímulos em si não representam caráter aversivo, mas quando antecipam eventos aversivos, adquirem também propriedades aversivas por terem sinalizado o evento desagradável ocorrido e passam a se caracterizarem como pré-aversivos. A esquiva ocorre tanto para os estímulos propriamente aversivos quanto para os estímulos pré-aversivos. O reforçamento negativo destas condições acaba por influenciar também na perda da variabilidade comportamental diante de eventos que possam assumir estas propriedades. Por exemplo, algumas situações de esquiva são descritas como de muita ansiedade, mesmo para antecipação e espera de momentos agradáveis (tais como: festas, viagens, encontros, etc). Sob esta perspectiva, o presente resumo tem como objetivo descrever um processo de intervenção na Terapia Analítico-Comportamental (TAC) com uma mulher de 43 anos, que apresentava a queixa clinica de sentirse muito ansiosa ao ter que dirigir. A cliente relatou sempre ter sido uma pessoa  “nervosa” e “ansiosa” devido a sua forma “perfeccionista” e “controladora” de realizar tarefas domésticas, familiares e de seu trabalho. Por isso, ao longo das seis sessões iniciais, quatro objetivos principais foram traçados: psicoeducação sobre ansiedade dentro da abordagem analítico-comportamental, ensino de estratégias de resolução de problemas, dessensibilização em relação aos eventos ansiogênicos e análise funcional das respostas de fuga/esquiva. Os resultados parciais, indicam que a cliente passou a perceber as relações entre os estimulos e as respostas ansiosas em seu dia-a-dia. Foi relatado também que esta percepção possibilitou à cliente um melhor manejo de comportamentos. A cliente tem praticado treinos de direção em locais e horários de menor movimento. Além disso, a cliente descreve uma melhora considerável dos sintomas fisiológicos e psicológicos diante das situações mesmas situações que antes eram descritas ansiosas.   

About RedePsi

Portal de Psicologia com Notícias, Artigos, Links e Serviços de Divulgação de Cursos, Eventos e Produtos da Área.

Comments are closed.