Socialização: Reforço e Modelagem

Darlan de Almeida Lima – Estudante do Curso de Psicologia da Estácio – Ceará.
Alexandre de Mello Diederichs – Estudante do Curso de Psicologia da Estácio – Ceará.
Joelson Alves da Silva – Estudante do Curso de Psicologia da Estácio – Ceará.
João Caetano Junior – Estudante do Curso de Psicologia da Estácio – Ceará.
Resumo: Este artigo sugere uma reflexão teórica acerca da ação do reforço para modelagem e consequentemente socialização do animal pelo homem. A observação de reflexos condicionados envolve os estímulos (reforçamentos) como parte do processo de aprendizagem, onde o desempenho está associado à modelação, pelo incentivo à habituação, onde o comportamento é escolhido, modificando o meio, gerando aprendizagem incluindo a domesticação; dessa forma os cães passam a responder não apenas de acordo com as contingências do meio, mas, preferencialmente, de acordo com aquelas eliciadas pelos humanos, o que explica a disposição dos cães em responder às contingências humanas cujo foco está na indução à estimulação de tarefas envolvendo gestos comunicativos de treinadores, tendo sensibilidade para responder aos controles emitidos de comandos, que gera no homem a realização de um grande número de raças obtidas no controle e manipulação genética, bem como a produção de novas formas de comportamento operante pelo reforço de aproximações sucessivas ao comportamento, numa integração homem-cão, benéfica para a saúde física e saúde mental do ser humano.

 
1. Início
A observação de reflexos inatos ou condicionados envolve os estímulos (reforçamentos) como parte do processo de aprendizagem, onde o desempenho está associado à modelação, pelo incentivo à habituação, onde o comportamento é escolhido, modificando o meio, gerando aprendizagem incluindo a domesticação.
Segundo Vila e cols. (1997), os seres humanos têm exercido controle de reforços aos animais usando comida e água, há muito tempo; dessa forma os cães passam a responder não apenas de acordo com as contingências do meio, mas, preferencialmente, de acordo com aquelas eliciadas pelos humanos (Udell & Wynne, 2008).
Além desta ontogenia, as pessoas têm sido responsáveis pelo controle filogenético dos cães, que são selecionados por cruzamentos planejados para refinamento de características comportamentais ensejados pelos criadores (Udell & Wynne, 2008). Assim, a domesticação explica a disposição dos cães em responder às contingências humanas (Udell & Wynne, 2008), uma vez que os cães obedientes são preferidos para a reprodução comercial quanto para a companhia dos donos.
No toque do trato que envolve as habilidades sociais e comunicativas com os animais, diante da inibição do animal, o foco está na indução à estimulação de tarefas aonde se elicia uma modificação no comportamento inato pelo condicionamento que inclui a possibilidade de exclusão (pôr em extinção outro comportamento), cuja generalização denota uma interrelação do animal com os que o cercam após condicionado.
Muitos teóricos têm discutido sobre as habilidades sociais e comunicativas entre homens e cães (Cooper, Ashton, Bishop, West, Mills, & Young, 2003; Wobber, 2005). Também, Tem-se verificado que os cães resolvem tarefas envolvendo gestos comunicativos de treinadores de forma mais fácil que primatas não-humanos (e.g. Soproni, Miklósi, Csányi, & Topál, 2001).
Segundo (Kaminski e cols., 2004), há indícios de que os cães podem responder por exclusão similar aos humanos, tendo sensibilidade para responder aos controles emitidos por humanos (Call e cols., 2003).
Conforme Dixon, (1977), os cães podem responder por exclusão, definido brevemente qual a escolha da alternativa correta, não respondendo às demais.
Zimen (1981) ressalta que a inteligência dos cães varia conforme as raças aonde algumas são mais sensíveis a treino e aprendizado de comandos.
Entre a satisfação do reforço e a punição (que envolve a integração entre homem e animal), numa possível situação de fuga, existe uma lei do efeito, aonde em tentativas e erros, se percebe uma motivação no sentido de que a gratificação dá exibição de sinais de condicionamento operante.
Conforme Kitagawa & Coutinho (2004),a integração homem-cão, tem sido benéfica para a saúde física e saúde mental do ser humano, proporcionando relaxamento e carinho com o animal de estimação.
Além disso, Wilsson & Sundgren (1997) afirmam que o cão passou a ser treinado para execução de atividades conforme o potencial apropriado, gerando um grande número de raças obtidas no controle e manipulação genética por seleção de indivíduos e cruzamentos programados para obter destaque em características desejadas.
Conforme Range et al. (2008) os cães respondem discriminadamente a classes de estímulos visuais, em comportamento pré-simbólico e simbólico, tendo em vista as prováveis semelhanças comportamentais (Cooper et al., 2003; Wobber, 2005).
Segundo o Dicionário de Psicologia APA, a Modelagem é a produção de novas formas de comportamento operante pelo reforço de aproximações sucessivas ao comportamento; também denominado approximation coditioning; modelagem comportamental.
A modelagem é uma variedade de seleção que seria o paralelo ontogenético da seleção filogenética que ocorre na evolução biológica (Donahoe, Burgos, & Palmer, 1993). Essa relação é mais óbvia quando usada por um treinador humano, como no ensino de habilidades a um cão (…) (Cf. Pryor, 1985; Squier,1993).

 
2. Considerações finais
A socialização do animal pelo homem gera uma realização social, financeira e psicológica, numa integração homem-cão, benéfica para a saúde física e saúde mental do ser humano.

 
REFERÊNCIAS
1 http://www.ebah.com.br/content/ABAAABvHEAJ/palavras-chaves-resumo
2 http://www.slideshare.net/JoaoMendonca2/ideiaschave-e-palavraschave
3 http://www.revistas.usp.br/salapreta/article/viewFile/57401/60383
4http://www.fdv.br/publicacoes/periodicos/revistadepoimentos/n13/revista.pdf#page=9
5http://www.marilia.unesp.br/Home/Instituicao/Docentes/EduardoManzini/Manzini_2004_entrevista_semi-estruturada.pdf
6 http://www.agentefarejador.com.br/artigos-caes/maltes.html
7 http://www.suapesquisa.com/cachorros/cao_maltes.htm
CALL, J., BRAUER, J., KAMINSKI, J., & TOMASELLO, M. (2003). Domestic dogs (Canis familiaris) are sensitive to attentional states of humans. Journal of Comparative Psychology, 117, 257-263.
COOPER, J. J., ASHTON, C., BISHOP, S., WEST, R., MILLS, D. S., & Young. R. J. (2003).Clever hounds: Social cognition in the domestic dog (Canis familiaris). Applied Animal Behaviour Science, 81, 229-244.
Dicionário de Psicologia da APA, Gary R. Vandenbos, organizador; tradução Daniel Bueno, Maria Adriana Veríssimo Veronese, Maria Cristina Monteiro; revisão técnica Maria Lúcia Tiellet Nunes, Giana Bitencourt Frizzo. – Porto Alegre: Artmed, 2010. 1040 p. 28 cm;
DIXON, L. S. (1977). The nature of control by spoken words over visual stimulus selection. Journal of Experimental Analysis of Behavior, 27, 433-442.
DONAHOE, J. W. BURGOS, J.E. & PALMER. D. C. (1989). The interpretation of complex human behavior. Some reactions of Parallel Distributed Processing. lounal of the Experimental Analisys of Behavior; 51, 399-416. [357 -360]
KITAGAWA, B. Y.; COUTINHO, S. D. 2004. Benefícios advindos da interação homem-cão. Rev. Inst. Ciênc. Saúde;22(2):123-128.
PRYOR. K. (1985) Don´t shoot the dog! New York: Bantam. [126 – 161]
RANGE, F., AUST, U., STEURER, M., & HUBER, L. (2008). Visual categorization of natural stimuli by domestic dogs.Animal Cognition, 11, 339-347.SÉRIO, P. A; M. et al.Controle de Estímulos e Comportamento Operante – 3 ed. Revisada – São Paulo: EDUC, 2008.
SOPRONI, K., MIKLÓSI, A., CSÁNYI, V., & TOPÁL, J. (2001). Comprehension of human communicative signs in pet dogs (Canis familiaris). Journal of Comparative Psychology, 115, 112-126.
SWUIER, L.H. (1993). The science and art of training: A review of Pryor´s Lad´s before. Journal of the Experimental of the Analysis of Behavior. 59, 423-431. [112]
UDELL, M. A. R., & WYNNE, C. D. L. (2008). A review of domestic dogs’ (Canis-familiaris) human-like behaviors: Or why behavior analysts should stop worrying and love their dogs. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 89, 247-261.
VILA, C., SAVOLAINEN, P., MALDONADO, J. E., AMORIM, I. R., Rice, J. E., HONEYCUTT, R. L., CRANDALL, K. A., LUNDEBERG, J., & WAYNE, R. K. (1997). Multiple and ancient origins of the domestic dog. Science, 276, 1680-1687.
WILSSON e.; SUNDGREN P. 1997. The use of a behaviour test for the selection of dogs for service and breeding: Method of testing and evaluating test results in the adult dog, demands on different kinds of service dogs, sex and breed differences.Applied Animal Behaviour Science, Volume 53, Number 4, pp. 279-295.
ZIMEN, E. 1981. The wolf, a species in danger. Delacorte Press: New York. 373p

Comments are closed.


loading...